Mecanismo da Mediunidade

Ante a Mediunidade

Original

Comentário

 Ante a Mediunidade

Depois de um século de mediunidade, à luz da Doutrina Espírita, com inequívocas provas da sobrevivencia, nas quais a abnegação dos Mensageiros Divinos e a tolerância de muitos sensitivos foram colocadas à prova, temo-la, ainda hoje, incompreendida e ridicularizada.

Os Intelectuais, vinculados ao ateísmo prático, desprezam-na até agora, enquanto os cientistas que a experimentam se recolhem, quase todos, aos palanques da Metapsíquica, observando-a com reserva. Junto deles, porém, os espíritas sustentam-lhe a bandeira de trabalho e revelação, conscientes de sua presença e significado perante a vida. Tachados, muitas vezes, de fanáticos, prosseguem eles, à feição de pioneiros, desbravando, sofrendo, ajudando e construindo, atentos aos princípios enfeixados por Allan Kardec em sua codificação basilar.

Alguém disse que “os espíritas pretenderam misturar, no Espiritismo, ciência e religião, o que resultou em grande prejuízo para a sua parte científica”. E acentuou que “um historiador, ao analisar as ordenações de Carlos Magno, não pensa em Além-Túmulo; que um fisiologista, assinalando as contrações musculares de uma rã não fala em esferas ultraterrestres; e que um químico, ao dosar o azoto da lecitina, não se deixa impressionar por nenhuma fraseologia da sobrevivéncia humana”, acrescentando que, “em Meta-psíquica, é necessário proceder de igual modo, abstendo-se o pesquisador de sonhar com mundos etéreos ou emanações anímicas, de maneira a permanecer no terra-a-terra, acima de qualquer teoria, para somente indagar, muito humildemente, se tal ou tal fenômeno é verdadeiro, sem o propósito de desvendar os mistérios de nossas vidas pregressas ou vindouras”.

Os espírita, contudo, apesar do respeito que consagram à pesquisa dos sábios, não podem abdicar do senso religioso que lhes define o trabalho. Julgam lícito reverenciá-los, aproveitando-lhes estudos e equações, qual nos conduzimos nestas páginas (13),

(13) A convite do Espírito André Luiz, os médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira receberam os textos deste livro em noites de quintas e terças-feiras, na cidade de Uberaba, Estado de Minas Gerais. O prefácio de Emmanuel e os   capítulos pares foram recebidos pelo médium Francisco Cândido Xavier, e o prefácio de André Luiz e os capítulos ímpares foram recebidos pelo médium Waldo Vieira. — (Nota dos médiuns.)

tanto quanto eles mesmos, os sábios, lhes homenageiam o esforço, utilizando-lhes o campo de atividade para experimentos e anotações.

Consideram os espíritas, que o historiador, o fisiologista e o químico podem não pensar em Além-Túmulo, mas não conseguem avançar desprovidos de senso moral, porqüanto o historiador, sem dignidade, é veículo de imprudência; o fisiologista, sem respeito para consigo próprio, quase sempre se transforma em carrasco da vida humana, e o químico, desalmado, facilmente se converte em agente da morte.

Se caminham atentos à mensagem das Esferas Espirituais, isso não quer dizer se enquistem na visão de “mundos etéreos”, para enternecimento beatifico e esterilizante, mas para se fazerem elementos úteis na edificação do mundo melhor. Se analisam as emanações anímicas é porque desejam cooperar no aperfeiçoamento da vida espiritual no Planeta, assim como na solução dos problemas do destino e da dor, junto da Humanidade, de modo a se esvaziarem penitenciarias e hospícios, e, se algo procuram, acima do “terra-a-terra”, esse algo é a educação de si mesmos, através do bem puro aos semelhantes, com o que aspiram, sem pretensão, a orientar o fenômeno a serviço dos homens, para que o fenômeno não se reduza a simples curiosidade da inteligéncia.

Quanto mais investiga a Natureza, mais se convence o homem de que vive num reino de ondas transfiguradas em luz, eletricidade, calor ou matéria, segundo o padrão vibratório em que se exprimam.

Existem, no entanto, outras manifestações da luz, da eletricidade, do calor e da matéria, desconhecidas nas faixas da evolução humana, das quais, por enquanto, sômente poderemos recolher informações pelas vias do espírito.

Prevenindo qualquer observação da critica construtiva, lealmente declaramos haver recorrido a diversos trabalhos de divulgação científica do mundo contemporâneo para tornar a substância espírita deste livro mais seguramente compreendida   pela generalidade dos leitores, como quem se utiliza da estrada de todos para atingir a meta em vista, sem maiores dificuldades para os companheiros de excursão. Aliás, quanto aos apontamentos científicos humanos, é preciso reconhecer-lhes o caráter passageiro, no que se refere à definição e nomenclatura, atentos à circunstância de que a experimentação constante induz os cientistas de um século a considerar, muitas vezes, como superado o trabalho dos cientistas que os precederam.

Assim, as notas dessa natureza, neste volume, tomadas naturalmente ao acervo de Informações e deduções dos estudiosos da atualidade terrestre, valem aqui por vestimenta necessária, mas transitória, da explicação espírita da mediunidade, que é, no presente livro, o corpo de idéias a ser apresentado.

Não podemos esquecer a obrigação de cultuar a mediunidade e acrisolá-la, aparelhando-nos com os recursos precisos ao conhecimento de nós mesmos.

A Parapsicologia nas Universidades e o estudo dos mecanismos do cérebro e do sonho, do magnetismo e do pensamento nas instituições ligadas à Psiquiatria e ás ciências mentais, embora dirigidos noutros rumos, chegarão igualmente á verdade, mas, antes que se integrem conscientemente no plano da redenção humana, burilemos, por nossa vez, a mediunidade, à luz da Doutrina Espírita, que revive a Doutrina de Jesus, no reconhecimento de que não basta a observação dos fatos em si, mas também que se fazem indispensáveis a disciplina e a iluminação dos ingredientes morais que os constituem, a fim de que se tornem ‘fatores de aprimoramento e felicidade, a benefício da criatura em trânsito para a realidade maior.

ANDRÉ LUIZ

Uberaba, 11-8-59.

Ante a Mediunidade

Já temos mais de um século e meio de mediunidade à Luz da Doutrina Espírita e com a sua divulgação, embora velada, através da mídia, portanto muitos puderam beber na fonte de águas claras que saciam a sede do Espírito.

A dedicação dos abnegados mentores espirituais e a paciência de alguns médiuns conseguiu fazer valer os esclarecimento da Vida Maior aos homens sedentos de luz.

Ridicularizada por pessoas pouco dedicadas ao estudo sério dos fatos e das escrituras sagradas. Falam e escrevem sem a devida observação das consequências morais do que está escrevendo, portanto cada um deve repensar a suas atitudes e ao falar que a Bíblia diz isso ou aquilo deve rever o que diz sobre o prisma do contexto histórico e reavaliar seu ponto de vista.

A humanidade está repleta de intelectuais e cada vez mais ‘cria’ pessoas com a mente repleta de conhecimentos técnicos e pouco afeiçoadas ao conhecimento transcendental.

Estamos chegando em um ponto da evolução dos habitantes do planeta Terra onde cada um será chamado à íntima prestação de contas, cada um de nós deveremos observar se o que estamos fazendo está condizente com a realidade transcendental da vida, pois as consequências dessa negligência estão cada vez mais evidentes, se analisadas sob o prisma das “modernas ferramentas” das Terapias Energéticas e Naturais.

O Espiritismo pode e deve ser visto como a religião da ciência e a ciência da religião, pois dá luz à ciência e razão à religião.

O efeito esclarecedor de sua Filosofia sobre os motivos de determinados comportamentos humanos, vendo-os como reflexo condicionado de outras vidas e precisando da Evangelhoterapia para uma melhor adaptação à realidade atual, traz uma notável ajuda à recuperação da pessoa e sua integração no meio social onde   precisa viver. Por outro lado, a perspectiva da continuidade da vida no Plano Espiritual e o retorno do espírito à existência terrestre para dar continuidade a sua existência anterior dão esclarecimento e entendimento racional para se aperceber de que os equívocos devem ser evitados. E se ocorrerem, devem ser corrigidos de forma compensatória e educativa, pois o espírito, pela consciência, se autocobra dentro da realidade da Contabilidade Divina,  de cada ato de sua própria vida.

Por mais que pessoas que se dizem intelectualizadas busquem justificar seus próprios atos segundo uma razão estéril e desprovida da luz do espírito, sua consciência está, na realidade, expressando os seus conflitos interiores, devido ao somatório deficiente entre as más e as boas ações.

Por mais se neguem que a mediunidade seja um mecanismo que possibilite expressar e estudar uma realidade de fatos transcendentais, sentem em si mesmos os efeitos de um passado, recente ou distante, onde agiam crendo e descrendo, impondo uma crença e uma forma de agir, mas deixavam de pautar suas vidas ao que ensinavam.

Mostra-nos a Psicologia Transpessoal que os conflitos dos seres humanos se derivam de fatos passados e mal resolvidos que “inconscientemente” geram os transtornos que as pessoas apresentam. Portanto, os profissionais das mais diversas profissões podem agir segundo sua “vontade e verdade”, mas a Vontade e a Verdade Divinas um dia o farão vê-las como são.

Entender a existência dos mundos espirituais dá-nos mais responsabilidade por nossos atos, e nos mostra que devemos ser mais comedidos e cautelosos com nossas opiniões e atos, pois um dia o mecanismo da Justiça Divina existente em nossa Consciência é acionado e nos leva a resgatar o que fizemos de errado. Portanto, devemos nos revestirmos de todo o Bem que podemos fazer, pois assim teremos o único advogado de defesa que podemos contar na hora desse julgamento transcendente, o Bem que realizamos. Embora ele ajude na nossa defesa, mas teremos que arcar com a responsabilidade dos erros cometidos.

Baseado em que vamos acreditar nesta Realidade Transcendente?

Nos fatos constados por estudiosos sérios onde foi respeitado as regras inerentes ao que se propõe estudar.

Chisthian Friedraich Samuel Hahnemann, com a sua sagrada intuição, descobre que quanto mais diluída é uma substância maior o seu efeito sobre o organismo humano, e que a aplicação desta filosofia pode curar e prevenir todas as doenças.

Allan Kardec codifica a Doutrina Espírita com a ajuda dos Espíritos e mostra para o mundo a realidade transcendente do mundo espiritual e as consequências morais que resulta da negligência das Leis Divinas.

Os físicos demonstram que tudo são luz e energia nos mais variados níveis de densidade e vibração.

A Física Quântica mostra a realidade de partículas infinitesimais na constituição de tudo que existe e de sua suscetibilidade aos campos eletromagnéticos artificiais e humanos.

Mahatma Gandhi exemplifica a total renúncia à violência e ganha uma batalha com a força das ações pacíficas que ultrapassam a compreensão de sua época.

Francisco Cândido Xavier nos traz páginas memoráveis exemplificando que a mediunidade pode ajudar a ciência humana a ultrapassar barreiras de conhecimentos e transcender o momento em que vive com informações que esclarecem o passado, fortalecem a disposição de refazermos o presente e inovam para o futuro.

Richard Geber demonstra o efeito da oração no tratamento da saúde.

David Bohn conclui que a ciência humana só irá ultrapassar o atual estágio de conhecimento se estudar e entender que existe a consciência.

A ciência humana tem verdades passageiras, pois quando um cientista descobre uma parte da verdade a sua equipe espiritual já têm outros de reencarnação mais recente para partir do ponto que ele parou e prosseguir na direção de uma verdade mais ampla e mais depurada. Assim sucessivamente a humanidade aperfeiçoa seus conhecimentos científicos cada dia mais.

Como podemos ver se o cientista trabalha com uma equipe espiritual ele é o médium dessa equipe que, pelo mecanismo da intuição e da instrução em desdobramento pelo sono, chega ao desenvolvimento de teorias e máquinas mais modernas, portanto o cultivo dos ensinamentos de Jesus e os esclarecimentos de Allan Kardec trazem-nos a possibilidade de verdadeiros saltos na evolução científica e moral.

Jesus, Kardec e Hahnemann são eternos e insubstituíveis, pois seus ensinamentos e esclarecimentos são baseados em Leis Naturais, tanto do mundo físico quanto do mundo espiritual.

A Psicologia atual vem se transmutando para o estudo da realidade transpessoal do ser, com   isso a humanidade vai encontrar-se consigo mesma, passará a ver em seu íntimo a fonte de conflitos e realizações, e passará a agir de forma a construir um futuro melhor para si própria.

Quando a Psiquiatria entender a realidade espiritual em torno dos fatos que constituem objeto de seu estudo terá a maior e melhor ferramenta que a ajudará a desvendar os mais intrincados e complicados casos de desequilíbrio mental.

Isso por que, entendemos, com o Espiritismo e as Terapias Energéticas e Naturais, que no perispírito está a chave para a solução de todos os problema humanos. Então! Vamos estudá-lo?

Certamente que o estudo do Mundo dos Espíritos e a estrutura espiritual requerem, como a preceituou Allan Kardec, o apoio da Mediunidade bem educada e de estudiosos comprometidos com o Bem estar legítimo para a humanidade. Pois somente com estes parâmetros eticomorais vamos encontrar o apoio dos Bons Espíritos que auxiliam aos homens em nome do Senhor.

Carmo, 30/12/2012.

XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Mecanismo da Mediunidade. Cap. “Ante a Mediunidade”,  pp 17 a 20. Comentários escritos por Gelson.
“Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei a vós, que também vós vos ameis uns aos outros”. Jesus (João 13:34)

.
Do Livro Mecanismo da Mediunidade – Editora FEB.
www.editorafeb.com.br
.

Ante a Mediunidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + 3 =