Mecanismo da Mediunidade

Registros de Allan Kardec (1)

Original

Comentários

No estado de desprendimento em que fica colocado, o Espírito do sonâmbulo entra em comunicação mais fácil com os outros Espíritos encarnados, ou não encarnados, comunicação que se estabelece pelo contacto dos fluidos, que compõem os perispíritos e servem de transmissão ao pensamento, como o fio elétrico. “O Livro dos Espíritos” — Pág. 233. FEB, 27ª edição. “Estado de desprendimento é a condição em que o Espírito fica como se estivesse dormindo por alguns momentos, ou seja, fica fora do corpo, embora esteja ligado a ele pelo “cordão de prata”, que é um fio fluídico e elástico. Neste estado, ele percebe as coisas como se estivesse sonhando, mas está “lúcido” e responde aos questionamentos com a precisão relativa ao seu conhecimento adquirido nesta e em outras vidas e ao tipo de treinamento na vivência deste fenômeno. Esta situação ocorre sempre que a pessoa dorme, mas o que foi vivenciado durante o sono natural nem todos conseguem trazer à lembrança ao acordar, pois os protetores espirituais impedem que a pessoa se lembre de tudo:

a-   Pois traria transtorno na pessoa devido à falta de preparo para viver em duas realidades;

b-   Nem todas as pessoas possuem cérebro capacitado para a decodificação da realidade vivenciada no Plano Espiritual.

Este estado de desprendimento é também chamado de estado sonambúlico, referindo à aparência de ser alguém que age dormindo. Algumas pessoas têm a predisposição natural para entrar neste estado naturalmente, outras por sugestão e outras por imposição de espíritos vingativos. Neste caso, a pessoa deve ser tratada, pois corre riscos. Esta situação pede também treinamento espiritual especializado para que a pessoa aprenda a identificar que tipo de espírito a está induzindo e, com isso, se defender de possíveis ataques de espíritos pouco afeitos ao Bem.

Na Homeopatia tem tratamento ara o sonambulismo patológico com remédios bem específicos que agem em tempo muito curto. Mas é necessário o Tratamento Espiritual, pois o Espírito vingativo deve ser esclarecido de sua situação de desencarnado e que sua realidade pode ser mudada se suas disposições mentoemocionais mudarem.”

Salvo algumas exceções, o médium exprime o pensamento dos Espíritos pelos meios mecânicos que lhes estão à disposição e a expressão desse pensamento pode e deve mesmo, as mais das vezes, ressentir-se da imperfeição de tais meios. “O Livro dos Médiuns” — Pág. 229. FEB, 26ª edição. “O médium é a pessoa que possui uma sensibilidade psíquica maior que as demais pessoas, portanto ele pode captar as influências dos espíritos de forma mais intensa que as demais pessoas, bem como sente as energias psíquicas do meio, embora todos captam estas influências de alguma forma e intensidade, de acordo com a sensibilidade, a sintonia e a afinidade.

Veremos mais à frente que sintonia e afinidade estão relacionadas com os grupos de espíritos como o s quais convivemos antes da atual reencarnação seja no Plano Espiritual ou em uma existência anterior, então, desta situação teremos a ‘intensidade’ da ‘comunicação’.

Esta sensibilidade pode levá-lo a sentir “coisas diferentes” em determinados meios onde as outras pessoas pouco percebem.

Normalmente, somos levados a pensar, que a sensibilidade do médium é puramente psíquica como normalmente pensamos, mas tem uma grande parcela de envolvimento do estado de equilíbrio do corpo físico.

Em nossa cultura ocidental convencionou-se achar e entender que a percepção psíquica do médium é devido ao cérebro ou a órgãos do cérebro, como a epífise (ou pineal) e a hipófise (ou pituitária).

Por outro lado, os orientais veem esta sensibilidade com uma função, primeiramente, dos Canais do Fígado, da Vesícula Biliar, depois do Mestre do Coração e do Triplo de Reaquecedor, mas se os sentimentos que alimentam o coração forem maus, o Canal do Coração criará uma série de bloqueios psíquicos que levará a pessoa a apresentar as mais variadas dificuldades.

Mas a Acupuntura tem outros pontos, em outros canais de energia que também tem a função de ajudar no restabelecimento do equilíbrio fisiopsíquico.

Se formos entender, da forma ocidental, que é função da epífise, então, de acordo com os chineses, ela é função dos Canais do Rim e da Bexiga, pois o Reino da Água é o regente das glândulas, principalmente o canal do Rim.

Bom, a mediunidade é uma função fisiopsíquica que depende do equilíbrio e evolução do médium, além de seus conhecimentos adquiridos nesta e em outras vidas. Ela possui uma parte que é inerente aos corpos sutis do espírito, a parte que depende dos canais de energia do médium e a parte que depende do bom funcionamento de todos os órgãos do médium, mais precisamente do fígado, da vesícula biliar e dos sentimentos que o médium nutre. Além de tudo isso sofrer a interferência da energia prannica captada pelos chakras, principalmente o coronário e o básico.

É impossível falar em mediunidade segura sem entendermos o ser humano como um todo fisiopsíquico, holisticamente.”

 A mediunidade não é uma arte, nem um talento, pelo que não pode tornar-se uma profissão. Ela não existe sem o concurso dos Espíritos; faltando estes, já não há mediunidade. “O Evangelho Segundo o Espiritismo” — Pág. 311. FEB, 48ª edição. “Por mais que avaliemos e estudemos a mediunidade sobre o aspecto técnico ou científico, precisamos entender que fica faltando a parte transcendental da técnica e da ciência, assim precisamos entender que o Evangelho de Jesus é o roteiro básico que se constitui noprimeiro manual de estudo para alcançarmos o fim que pretendemos.

Evangelho de Jesus, o Cristo, tem a explicação de suas máximas morais em O Evangelho Segundo o Espiritismo, que consiste em um seguro roteiro moral para o médium e para quem se predispõe a estudar a mediunidade e exercê-la com segurança.

segundo manual é O Livro dos Médiuns, este é essencial ao estudo de quem se predispõe a ter mais segurança psíquica na vida. Nele deparamos com um conjunto de técnicas para entendermos a filosofia da mediunidade e da Doutrina Espírita.

De posse desse estudo, vamos entender que o interesse material cria uma certa barreira ao exercício da mediunidade segura, ou seja, com uma boa assistência dos bons espíritos, pois cria um campo psíquico que “age como uma barreira” à comunicação deles. E sem a assistência espiritual dos Bons Espíritos inexiste a mediunidade segura.

Uma mediunidade exercida de forma “profissional” pode trazer vários inconvenientes, principalmente lesões aos corpos sutis e físico do médium, pois na maioria das vezes carece da proteção dos Bons Espíritos.”

Por toda a parte, a vida e o movimento: nenhum canto do Infinito despovoado, nenhuma região que não seja incessantemente percorrida por legiões inumeráveis de Espíritos radiantes, invisíveis aos sentidos grosseiros dos encarnados, mas cuja vista deslumbra de alegria e admiração as almas libertas da matéria. “O Céu e o Inferno” — Página 34. FEB, 18ª edição.

Por toda a parte há vida e movimento, nenhum…” (o texto acima está traduzido com erro de gramática, pois como está grafado a frase carece do sentido que ela quer passar).

“Existe vida e movimento em toda a parte do Universo, embora a maioria das pessoas negligencie esta informação, ou simplesmente diz desacreditar por elas lhe serem invisíveis.

Felizes deles por esses espíritos lhe serem invisíveis, pois eles iriam ficar muito assustados com que iriam ver, se pudessem ver tudo.

Nossas ruas são povoadas por espíritos disformes, atormentados por seus conflitos existenciais de extrema complexidade.

Todos precisam de uma Evangelhoterapia transcendente!

Da mesma forma todos nós somos acompanhados por espíritos afins. Eles nos acompanham em todas as nossas ações.

Embora alguns pensam que nos ajudam, mas, na maioria das vezes, na verdade trazem grandes problemas para os futuros de nossas existências.

Ó humanidade, até quando permanecerás nessa cegueira espiritual e negligenciará a realidade espiritual e a necessidade de se praticar as máximas do Evangelho de Nosso Senhor Jesus, o Cristo? No momento em que passares a perceber que as atitudes de cada um atraem ou repelem determinados espíritos, além de modificar o psiquismo do ambiente propiciando uma melhor psicosfera ambiente, certamente, mudarás seu modo de sentir, pensar, falar, e agir.

Quando entendermos a realidade transcendente do mundo dos espíritos começaremos a refletir sobre o tipo de vida que levamos e o nos espera no Plano Espiritual.”

São extremamente variados os efeitos da ação fluídica sobre os doentes, de acordo com as circunstâncias. Algumas vezes é lenta e reclama tratamento prolongado, como no magnetismo ordinário; doutras vezes é rápida, como uma corrente elétrica. “A Gênese” — Pág. 279. FEB, 13ª edição.

(1) Designados pelo Autor espiritual.

A ação dos espíritos sobre a nossa vida é de extrema complexidade, portanto a ação daTransfusão de Energia através do Passe ou outra forma de tratar com a doação de ‘fluidos magnéticos’, como o Reiki e o Jhorei, são bem variadas, pois dependem de uma série de fatores que precisam ser bem entendidos ou aceitos por todos os envolvidos.

A transfusão de energia seria melhor denominada na nossa sociedade atual deTratamento Por Irradiação Vibracional Humana, pois o que nós espíritas chamamos de Passe é uma forma de transferir para outrem uma ‘energia’ que possuímos ‘de sobra’, assim como o Reiki e o Johrei, embora exista explicações diferentes para estas formas de tratamento.

Tratamento Por Irradiação Vibracional Humana é essencial no apoio ao tratamento das Alterações Mentais. Pesquisas apresentadas nesta área confirmam e temos vistos os resultados dos tratamentos feitos sem e com o apoio desta terapia, obviamente, com resultados diferentes para cada situação.”

XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Mecanismo da Mediunidade. Cap. “Registros de Allan Kardec (1)”,  pp 11 e 12. Comentários escritos por Gelson.
“Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei a vós, que também vós vos ameis uns aos outros”. Jesus (João 13:34)

.

Do Livro Mecanismo da Mediunidade – Editora FEB.
www.editorafeb.com.br
.

Registros de Allan Kardec (1)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

25 − = 18